Programa Fábrica de Talentos

Projeto Fábrica de Talentos

Atualmente, verifica-se uma demanda educacional resultante de precários sistemas de apoio à educação em geral. As consequências dessa carência atingem principalmente jovens que estão em fase de busca de identidade, de vocação profissional e de oportunidades em geral: os adolescentes. E o cenário de complicações amplia-se para todas as camadas sociais quando se trata de globalização e mercado competitivo. A busca por um emprego que ofereça melhores condições de vida passa a ser a meta de todos que deixam o ensino médio. Em se tratando de competição profissional, a atualidade é intransigente em um quesito: o domínio do idioma inglês! Compras de empresas brasileiras por multinacionais, rotinas de vídeo-conferências, feiras internacionais – a rotina profissional exige o domínio desse idioma.

Porém, estatísticas mostram que o brasileiro em geral não fala inglês: apenas 5% domina o idioma. A GlobalEnglish, empresa especializada em fornecer soluções corporativas para o ensino de inglês, fez uma pesquisa com 108 mil empregados de multinacionais em 76 países. Os 13 mil brasileiros que responderam ao teste tiraram nota 2,95 (em um total de 10), deixando o país em 67º lugar. No caso de jovens, a situação continua problemática: 5,1% da população de 16 anos ou mais afirma possuir algum conhecimento do idioma inglês.

O projeto Fábrica de Talentos tem no centro de seu eixo a educação e cultura: pilares essenciais no combate à decrescente qualidade de acesso à informação. O programa do projeto possui grade multidisciplinar com disciplinas que se otimizam entre si, fortalecendo e promovendo a aprendizagem: curso de inglês e cultura física regional – estímulo intelectual junto com reforço cognitivo e físico. Um conjunto que acelera a capacidade cognitiva do jovem, literalmente abrindo sua consciência para melhores oportunidades de vida.

Esse é o jovem que o mercado de trabalho busca. Pesquisa realizada com Pesquisa da Revista Você S/A com 30 grandes empresas mostra o que elas querem e exigem na hora de contratar quem chega ao mercado: pro-atividade, disposição para aprender, aprendizagem rápida e flexibilidade são comportamentos fundamentais. Já quanto à capacitação técnica, o estudo apontou que 97% das companhias afirmam que a formação acadêmica é levada em consideração. Já a fluência na língua inglesa é observada por 57% dos entrevistados, enquanto que a experiência profissional por 50%.

O Capítulo IV do Estatuto da Criança e do Adolescente prevê: “Do Direito à Educação, à Cultura, ao Esporte e ao Lazer” Art. 53. A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho. Esse é a proposta do programa Fábrica de Talentos: educar e capacitar!

Na galeria de fotos a seguir, você acompanha a evolução do Programa Fábrica de Talentos 2019/2020.